Confira como foram as oficinas no Dia do/a Assistente Social em Curitiba

No dia 15 de maio, Dia do/a Assistente Social, oficinas e debates marcaram a luta da categoria

DSC_0300Levantando a bandeira em defesa de educação pública de qualidade e compromisso com a classe trabalhadora, Assistentes Sociais de Curitiba participaram de diferentes oficinas no terceiro dia de Comemorações em Curitiba ao 15 de maio. Foram discutidas a gestão do trabalho do SUAS, a copa do mundo e a violação de direitos e a questão do exercício  profissional nos espaços sócios ocupacionais do campo jurídico. Os debates foram realizados na parte da tarde no Cenáculo, localizado no Largo da Ordem na capital.

Confira abaixo os temas trabalhados e as Fotos das oficinas:

DSC_0336Megaeventos:

O integrante do Comitê Popular da Copa, o advogado Thiago Hoshino, abri a oficina com o tema “Os megaeventos esportivos na disputa pela cidade: violação de direitos e reterritorialização do capital”. Thiago contextualizou a questão dos megaeventos, e trouxe a trajetória Copa do Mundo e Olimpíadas e sua relação direta na produção da cidade capitalista, mostrando que os ‘legados’ deixados nas cidades-sedes e as ações vivenciadas no Brasil estão relacionados à ampliação da escala de violação de direitos, principalmente às comunidades pobres, falta de controle social e altos investimentos públicos em empresas privadas, trazendo o grande questionamento de que legado a Copa trará para a população?  Segue pela apresentação da pesquisa  “Projeto Megaeventos-COPA 2014” pela assistente social Jocieli Majewski. Nestas, fica evidenciado que o modelo cidade-negócio cria um modelo de cidade excludente, com a perspectiva de acontecerem muitos despejos na região metropolitana de Curitiba motivada pelo conjunto das obras da Copa. As assistentes sociais Andrea Braga e Vanda de Assis fizeram a aproximação do tema direito à cidade, participação popular e atuação profissional, onde a primeira destacou a importância de refletir sobre o processo de prática do assistente social e formação acadêmica no contexto dos megaeventos, “é preciso que a categoria esteja atenta a estes processos, o que temos presenciado nas comunidades atingidas pelas obras é violação de direitos e a falta de transparência e controle social dos gastos públicos, que estão na contramão do que defendemos no nosso projeto ético-político”. Explicita a trajetória e inserção do CRESS-PR nos espaços coletivos de luta e inserção no Comitê Popular da Copa em Curitiba e que esta discussão está pautada na agenda política do conjunto CFESS/CRESS. Já Vanda expôs a experiência coletiva da Assembléia Popular junto a Associação Ilha em Almirante Tamandaré, onde um grupo de catadores de recicláveis vem conquistando sua dignidade e melhores condições de trabalho através de estratégias de mobilização e resistência.   “Sem participação popular na elaboração e construção de projetos para a Copa do Mundo, o grande evento esportivo pode deixar saldo negativo para a cidade”, comentou a integrante da Câmara Temática de Direito à Cidade, Clarice Metzner. Segundo ela o objetivo de trazer esta discussão na oficina é compreender as possibilidades de intervenção da categoria frente às grandes violações dos direitos humanos na cidade. Como proposta da oficina, há a ideia de criação de GT para produção de documento específico sobre a atuação dos Assistentes Sociais no caso de desapropriações e despejos no Paraná.

DSC_0377SUAS: A Assistente Social Renata Mareziuzek, que integra a comissão da câmara técnica de Assistência Social do CRESS/PR presidiu a mesa de discussão a respeito da gestão do trabalho do SUAS. “Esta oficina teve por objetivo mostrar a atuação do/a profissional na política de assistência, englobando tudo que está sendo feito a nível federal como estadual na gestão do trabalho” comentou Renata.  Além da participação de profissionais que atuam neste setor, tanto em âmbito nacional como estadual, esteve Leonildo Monteiro Filho integrante do Movimento Nacional da População em Situação de Rua que compartilhou suas experiências como beneficiário de assistência e como está a situação de gestão de assistencial hoje.

DSC_0314Sociojurídica:

: Explicando o campo sócio jurídico como uma área de atuação do Serviço Social, estiveram representantes de diversos espaços:  Núcleos de Práticas Jurídicas (NPJs), Ministério Público ( MPPR), Tribunal de Justiça –( TJPR),  Departamento Penitenciário do Paraná – (SEJU) e Defensoria Pública da União, além de uma representante da CT Sociojurídica da Seccional de Londrina, que contextualizou a criação desta câmara naquela cidade. A oficina teve por objetivo conceituar o campo de atuação sociojurídico, trocar experiências e discutir estratégias de atuação para o enfrentamento dos desafios colocados à categoria. Este espaço foi pensado tendo em vista que não há uma formação específica para os/as Assistentes Sociais voltada à esta campo, faltando informações e conhecimento relacionados a este espaço sócio-ocupacional.  A oficina também teve a proposta de apresentar atividades e demandas trabalhadas pela CT, como a questão relativa à requisição profissional dos/as assistentes sociais por parte do Judiciário.

Os debates foram intensos e houve a necessidade de agendar outra data para a continuidade da oficina. Em continuidade a esta oficina, a Câmara Temática Sociojurídica do CRESS/PR decidiu estender as discussões a respeito do tema.  Será realizado  um novo encontro no próximo dia 28 de maio, iniciando às 17:30 na sede do CRESS/PR, rua Monsenhor Celso, 154 – 13º andar, Curitiba-PR.

Veja o convite para a Oficina Sociojurídica

Veja aqui fotos das oficinas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.